Paladar e aceitação de novos alimentos

A queixa mais comum dos pais em relação à alimentação é “meu filho não come nada”. E isso se refere não apenas sobre a quantidade de comida, mas principalmente, em relação a qualidade da alimentação, a criança não quer variar os alimentos e nem aceitar novos sabores. Mas isso é normal? Qual a explicação?

Sim, isso é muito comum e por isso pesquisadores de todo mundo têm se esforçado para entender o processo de formação dos hábitos alimentares. Estudos recentes têm demonstrado a importância dos 1000 dias (período que compreende desde a gestação até os 2 primeiros anos de vida da criança) na formação do paladar infantil. Segundo os dados, o desenvolvimento de um estado nutricional saudável tem início muito cedo, compreendendo os hábitos alimentares da mãe, o tipo de amamentação e a nutrição na fase de crescimento. Esse período é também essencial para o desenvolvimento do paladar e formação dos hábitos alimentares.

Algumas medidas podem ser adotadas para estimular e influenciar de maneira positiva o paladar das crianças:

  • Durante a gestação, invista em uma alimentação bem variada, rica em diversas frutas, verduras, legumes e alimentos integrais. Quanto mais a futura mamãe ampliar o paladar, mais chances o bebê terá de não se tornar uma criança seletiva, em relação aos alimentos;
  • Incentivar o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de idade e, neste período, a alimentação equilibrada da mãe;
  • Conduzir a introdução alimentar priorizando uma alimentação saudável, adequada e de acordo com cada necessidade desse período, seja por meio das “papinhas” ou do método BLW (Baby-Led Weaning);
  • Até os 2 anos de idade, evite oferecer alimentos açucarados à criança e com alta quantidade de sal, isso pode mascarar o sabor natural e contribuir para não aceitação de novos alimentos;

Lembre-se que esta fase é uma “janela de oportunidades” para a formação do paladar do seu filho, portanto, aposte sempre em uma alimentação saudável, colorida e equilibrada!

Mas a aceitação de novos alimentos também pode ser trabalhada para as crianças acima de 2 anos, uma vez que as preferências alimentares são originadas a partir de fatores genéticos e ambientais. Portanto, é importante aqui, criar um ambiente adequado de exposição de novos alimentos para que a criança entenda que os alimentos saudáveis fazem parte da rotina da família e do ambiente que convivem.

O grande desafio para os pais é fazer com que a criança aceite uma alimentação diversificada e aumente as suas preferências alimentares, principalmente, de frutas, verduras e legumes, adquirindo assim, um hábito alimentar mais saudável. Mas, algumas crianças apresentam um comportamento chamado de neofobia, que é o medo de experimentar novos alimentos e sabores. Tenha calma, paciência e procure ajuda de um nutricionista para acompanhar o estado nutricional da criança e incluir alimentos enriquecidos com vitaminas ou suplementos, em paralelo ao processo de educação nutricional.

A criança pode vencer o medo de comer novos alimentos por meio do processo de aprendizagem. É importante reforçar comportamentos positivos, para que a criança vivencie as experiências alimentares.

  • Ensine e converse sobre os diferentes sabores, como doce, amargo, azedo, salgado, etc.;
  • Ensine sobre a quantidade adequada dos alimentos, por exemplo, como montar um pratinho saudável;
  • Apresente e converse sobre as texturas, estimulando as crianças a tocarem nos alimentos in natura;

Estas são algumas das estratégias que podem ser realizadas pelos pais e/ou cuidadores, para que novos alimentos sejam aceitos pelas crianças. É importante lembrar também que, técnicas de oferecer repetidamente os alimentos, mesmo quando recusados, e variar o tipo de apresentação também são importantes nesse processo.

Lembrando sempre que as pessoas com as quais a criança convive e seus hábitos alimentares são o exemplo do que a criança aprende, portanto, é muito importante que estes tenham bons hábitos alimentares e, quando não, desenvolvam juntamente com a criança.

Experimente novos alimentos, novas preparações e (re) descubra novos prazeres com a alimentação.

Referências bibliográficas:

Ramos, M.; Stein, L. M. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil. Jornal de Pediatria , Vol. 76, Supl.3, 2000.

Melo, K. M.; Cruz, A. C. P.; Brito, M. F. S. F.; Pinho, L. de. Influência do comportamento dos pais durante a refeição e no excesso de peso na infância. Escola Anna Nery 21(4), 2017.

Madruga, S. W.; Araújo, C. L. P.; Bertoldi, A. D.; Neutzling, M. B. Manutenção dos padrões alimentares da infância à adolescência. Rev. Saúde Pública, vol.46, no.2, São Paulo, 2012.

Moura, R. G. F.; Cunha, D. A.; Caldas, A. S. C.; da Silva, H. J. Avaliação quantitativa do paladar na população infantil: revisão sistemática. Braz. J. Otorhinolaryngol., vol.81, no.1, São Paulo, 2015.

Cunha, A. J. L. da. A.; Leite, A. J. M.; Almeida, I. S. de. The pediatrician’s role in the first thousand days of the child: the pursuit of healthy nutrition and development. J Pediatr (Rio J). 2015;91(6 Suppl 1):S44—S51.