A visão é um dos sentidos mais importantes do ser humano. Através da vista nos relacionamos com o mundo que nos rodea e com as pessoas com quem convivemos diariamente. De fato, estamos mais acostumados a utilizar a visão mais do que qualquer outro sentido. Assim, segundo um estudo realizado recentemente pelo instituto Max Planck com pessoas de treze culturas distintas, 80% das sensações que reconhecemos são percebidas através dos olhos.

Porém, as doenças relacionadas com a visão e o cuidado dos olhos tem crescido e são comuns. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que no ano de 2020 a quantidade de pessoas com deficiência visual pode beirar os 360 milhões, incluindo entre 80 e 90 milhões de cegos. A boa notícia é que 80% dos casos de cegueira são evitáveis, segundo dados da própria OMS, por que são resultados de condições evitáveis que podem ser tratadas.

O risco ao nosso sentido da visão vem crescendo conforme se modifica nosso estilo de vida e por nos tornarmos dependentes de aparelhos eletrônicos como computadores, celulares e outras telas. O uso constante desses eletrônicos e o tipo de luz que emitem, lesiona as lentes dos olhos, os cansa constantemente e faz com que sejam suscetíveis a sofrer danos ao longo da vida.

Existem hábitos saudáveis que podemos seguir que ajudam a cuidar de nossos olhos; limitar o tempo de telas, sobre tudo para os pequenos da família, desligar aparelhos eletrônicos quando não estiverem em uso e, em nossos quartos, assegurar uma luz adequada para ler ou estudar são bons costumes. Nossa dieta também pode contribuir, com sua qualidade de proteger a visão, existem nutrientes, contidos nos alimentos que consumimos, que protegem as lentes do olhos e as membranas que os recobrem, mantendo-as húmidas, flexíveis e fluidas, assim, capazes de resistir aos efeitos dos agentes radicais livres que causam oxidação e de agentes infecciosos relacionados com doenças virais e bacterianas.

A seguir, alguns alimentos que pode escolher para proteger a visão da família, em especial, as crianças em idade escolar, que tanto dependem da saúde de seus olhos para terem sucesso nesta etapa de vida:

  1. Espinafres:

As hortaliças de folhas verdes contêm uma grande quantidade de beta carotenos, indispensáveis para a formação de vitamina A. Esta vitamina, cuja forma mais ativa se chama retinol, contribui na formação da retina e também previne complicações como a síndrome de olho seco. Outros alimentos deste tipo, benéficos para a visão, são acelgas, alface, escarola e aipo. E a melhor forma de consumi-los, é refogada com um pouco de óleo ou manteiga, uma vez que o beta caroteno ou provitamina A, é melhor utilizada pelo nosso organismo, na presença de gordura.

A vitamina A é um termo genérico que se refere aos compostos lipossolúveis encontrados como o retinol em produtos de origem animal, e como carotenoides, provitamina A, em frutas e vegetais. A vitamina A está envolvida com a regulação do crescimento e especialização (diferenciação) de virtualmente todas as células do corpo humano. A vitamina A tem, também, papéis importantes no desenvolvimento embrionário, na formação de órgãos durante o desenvolvimento fetal, funções imunológicas normais e desenvolvimento dos olhos e da visão.

A deficiência de vitamina A é a principal causa evitável de cegueira no mundo. Ela prevalece entre as crianças e mulheres em idade reprodutiva. A deficiência de vitamina A também está associada com uma suscetibilidade incrementada de infecções, assim como desordens na tireoide e na pele. O consumo habitual de alimentos ricos em, ou fortificados com, vitamina A parece reduzir significativamente a mortalidade infantil em regiões com alto risco de deficiência de vitamina A como na América Latina. Além disso, uma suplementação de altas doses de vitamina A é amplamente recomendada para crianças maiores de seis anos de idade quando infectadas com sarampo ou quando estão desnutridos, imunodeficientes, ou em risco de complicações pelo próprio sarampo. O leite e derivados, fortificados com vitamina A são recomendados especialmente por ajudar a manter saudável o tecido conjuntivo, a membrana transparente que cobre a porção anterior do globo ocular ao redor da córnea.

2. Cenoura

Essa hortaliça é um dos produtos mais ricos em beta carotenos, pigmentos com capacidade formadora de vitamina A, por isso sua cor alaranjada. Além disso, contém vitamina C, B1 e outros minerais como potássio e iodo, que são antioxidantes que feiram o envelhecimento da pele. Outros alimentos ricos em beta carotenos são todas as frutas e verduras de cor amarelo intenso e alaranjadas, assim como os vegetais ver escuros.

3. Salmão

Assim como o bacalhau, a sardinha, o atum e outros pescados e água fria, o salmão é rico em ácidos graxos da família ômega 3, que tendem a ser escassos na dieta de quem mora na América Latina. Dos integrantes da família do ômega 3, o DHA e o EPA são especialmente importantes para a proteção da saúde visual e do desenvolvimento correto da visão. Estes ácidos graxos são parte fundamental das membranas protetoras das lentes dos olhos, e contribuem também para o funcionamento correto das próprias lentes, dando-lhes flexibilidade e umidificação, ao abrir ou fechar para se adaptar à mudança de luz. Estes componentes da família ômega 3 tendem a ser escassos nas dietas sul americanas e no caribe pois suas principais e quase exclusivas fontes são estes pescados de água fria. Infelizmente, os índices de conversão de outros ômega 3 a estes ácidos graxos essenciais, são baixos: de 100 a 1. O consumo de alimentos fortificados, sobre tudo com DHA é muito recomendado para alcançar os 200mg diários que são recomendados para as crianças em idade pré escolar e escolar e para mulheres grávidas ou lactantes.

4. Sementes de Abóbora, chia ou girassol:

As sementes, conhecidas como oleaginosas e também os azeites e cereais extraídos a partir delas e de leguminosas, são fontes importantes de ácidos graxos da família ômega 6 e de vitamina E. Os ácidos graxos da família ômega 6 são, em alguns casos, essenciais para a saúde, ou seja, é necessário consumi-los em quantidades adequadas todos os dias. Para a saúde dos olhos e desenvolvimento durante os primeiros anos de vida é especialmente importante um dos integrantes dessa família: o ácido araquidônico, conhecido como ARA, que ajuda a regular a permeabilidade das membranas dos olhos, ajudando-lhes a serem resistentes tanto a agentes infecciosos como a agentes radicais livres que causam oxidação.

A vitamina E está envolvida no fortalecimento de certos aspectos da imunidade celular. A deficiência de vitamina E pode ser causada por transtornos de má absorção de gorduras ou por anormalidades genéticas que afetam o transporte de vitamina E. Os sintomas de uma deficiência incluem neuropatias (dores nas terminações nervosas, comumente sofrido por quem vive com diabetes), fraqueza muscular, e dano a retina do olho.

5. Tomate e outros alimentos vermelhos.

O tomate e outro alimentos vermelhos ou verde escuros contém uma combinação interessante de substâncias fitoquímicas. O licopeno, especialmente valioso para a saúde ocular, os licopenos são poderosos antioxidantes que ajudam a manter flexíveis das membranas protetoras dos olhos e das lentes oculares. E, luteína, um composto antioxidante associados à cor amarela intensa nos vegetais.

A luteína forma parte do pigmento da mácula dos olhos e exerce um papel protetor na degeneração muscular em adultos maiores ou pessoas em risco. A luteína também ajuda a regular a precisão dentro dos olhos, prevenindo o desprendimento de membranas protetoras e protegendo os olhos das graves consequências da hipertensão ocular. Finalmente, a luteína aguça a vista e protege os olhos dos efeitos negativos dos raios intensos do sol.

Além de consumir alimentos que ajudam a conservar a saúde da visão, é necessário realizar revisões oculares regulares, ao menos uma vez ao ano, e para quem tem risco ou já sofre de algum dano, a cada seis meses, com um especialista oftalmologista, já que é a melhor forma de prevenir qualquer doença ou complicação com a vista.