Almoços escolares: Como ajudar seu filho a tomar decisões saudáveis.

As vezes os pais sofrem quando sentem que perderam o controle sobre o que seus filhos comem, sobre tudo durante o tempo que passam na escola e quando vão ficando maiores. Por isso, vale a pela educá-los também em como tomar as melhores decisões sobre a sua alimentação para que possam buscar por si mesmos seu bem-estar, enquanto aprendem a desfrutar de uma boa comida e a equilibrar seus menus e preparações. Quanto antes, melhor… Como diria o ditado, ensina-os a pescar.

Trouxemos aqui 10 dicas que podem te ajudar precisamente a educar seus filhos para tomarem melhores decisões:

  1. Ensine seus filhos a saciar sua sede sempre com água. Que identifiquem os bebedouros de água potável na escola e no entorno e bebam água ao invés de qualquer outra coisa.
  2. Ajude seus filhos a escolher outras bebidas além da água, em primeiro lugar pela sua contribuição nutricional, antes do sabor, cor ou pela marca que a comercializa. O leite fortificado com vitaminas A e D e os sucos, sem açúcares adicionados e fortificados, são duas excelentes opções. Mas sugira que não sejam consumidos em quantidades abundantes.
  3. Que seu filho sempre comece a preparar seu menu ou prato pensando em uma verdura ou fruta, e logo complementar com os demais ingredientes. Que a verdura ocupe quase a metade de seu prato e que esteja temperada, se for verdura, nada muito espesso ou cremoso, mas uma boa utilização de vinagres, ou temperos rápidos a base de azeites, sucos ou ervas. Para as frutas, pode acompanhar com iogurte fortificado, granola, sementes, oleaginosas ou aveia como complemento.
  4. Ensine seu filho a escolher produtos de cereais com baixo teor de açúcar, gordura ou sal, e que contenham farinhas integrais ou de grão inteiro. A batata desidratada ou frita e com muito sal; e um pão assado integral ou um donut com cobertura de glacê, não são a mesma coisa, e seu filho deve saber disso.
  5. Que seu filho escolha um produto de origem animal para complementar sua porção de fruta ou verdura e seus cereais integrais, que tenha baixo teor de gordura, ou um lácteo desnatado. Queijo fresco, frango desfiado, ovo cozido, atum fortificado em lata, são todas boas opções, enquanto os queijos gordurosos, o frango empanado ou os hamburgueres gordurosos não são boas opções.
  6. Em vez de produtos de origem animal, ensine seu filho a escolher, algum produto rico em proteínas, mas de origem vegetal. Podem ser feijões cozidos, humus, ou lentilhas cozidas, em salada.
  7. Lembre seu filho que, em geral, a comida caseira é saudável, e que muitas preparações que nos encantam, ainda que sejam preparados no momento e pareçam saudáveis, podem não ser tanto assim. Isso acontece com sanduíches ou tortas ricas em gorduras, com maionese, manteiga, produtos fritos ou embalados, as como pizzas. Que avalie a qualidade dos ingredientes e escolha 90% de seu prato pensando na saúde.
  8. Ensine seu filho a inserir alimentos de prazer em suas refeições. Que sejam sempre em proporções pequenas, e que sempre sejam consumidos no macro de uma alimentação saudável. 10% de seu prato, do seu menu é suficiente; e, não mais de um alimento por refeição. Isto inclui os doces, biscoitos, salgadinhos embalados e batatas fritas.
  9. Ajude as crianças a entenderem o papel que os lanches da manhã têm na alimentação. Não são refeições completas nem devem ser substituídas. Segundo a OMS, Organização Mundial da Saúde, cada lanche da manhã deveria contribuir com 15% do total das calorias diárias, o que significa que é uma refeição pequena. Dependendo do tamanho de sua jornada, do café da manhã consumido, sua contribuição calórica e a importância que devem ter na alimentação, mas, é importante que a criança dimensione o resto de suas refeições do dia ao planejar seu lanche.
  10. Confie nos critérios de seus filhos. As crianças empoderadas e que sentem o apoio de seus pais podem tomar boas decisões. Direcione-os mais do que supervisiona-los, faz com que sintam auto eficácia em suas próprias decisões e quando algo faltar em suas seleções, faça com que eles reflitam ao invés de chamar-lhes a atenção.