Podemos prevenir as alergias?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Podemos prevenir as alergias?

Se você está lendo esse texto, é muito provável que você, seu filho, filha, ou algum conhecido tenha alguma alergia. De fato, as alergias são cada vez mais frequentes em todo o mundo e se tornaram uma causa muito importante de doenças crônicas entre crianças. A Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia, por exemplo, revela dados preocupantes:

– Entre 10 e 30% da população mundial tem rinite alérgica.

– Um estudo realizado nos Estados Unidos revelou que até 8% das crianças possuem alergias alimentares.

– Mundialmente, 40 a 50% das crianças em idade escolar possuem sensibilidade a pelo menos um alérgeno em comum.

– Entre 10 a 17% das crianças possuem dermatite atópica.

– A asma é a doença crônica mais frequente em crianças e causa mais dias de perda escolar em regiões industriais.

– Nos últimos 50 anos, é notável o aumento do número de casos de alergia em todo mundo

O que são as alergias?

Nosso sistema imunológico é responsável por nos proteger de diferentes agentes causadores de doenças como vírus e bactérias, para impedir que eles nos causem doenças. Uma alergia é uma resposta inadequada do sistema imunológico, na qual confunde uma substância inofensiva (por exemplo, leite ou pólen) como um potencial intruso. A resposta do organismo não é a mesma de um agente nocivo, porém, pode causar desconforto e doenças de fundo alérgico.

A marcha atópica

Mesmo que não seja um padrão universal, as doenças alérgicas em crianças ocorrem juntas e, geralmente, em sequência. As cinco doenças da marcha atópica são:

– Eczema ou dermatite atópica (pele escamosa, lesões, rachaduras)

– Alergia alimentar (inflamação nos lábios ou na garganta, diarreia, dificuldade em digerir alimentos, refluxo, distensão abdominal)

– Rinite alérgica (inflamação nasal, coriza, obstrução nasal, espirros, roncos devido ao nariz entupido)

– Asma (tosse prolongada, dificuldade para respirar)

– Conjuntivite alérgica (coceira nos olhos, sensibilidade exagerada à luz).

O conceito de marcha atópica vem sendo questionado recentemente, ainda assim, sabe-se que as doenças alérgicas geralmente ocorrem juntas e se progridem, causando novos sintomas em diferentes sistemas.

O que causa as alergias?

Não existe uma causa única para o surgimento das alergias, porém alguns fatores contribuem para seu desenvolvimento. São eles:

– Genética: Se os pais desenvolveram uma alergia é mais provável que o filho também desenvolva.

– Uso de antibióticos: Existe uma relação saudável entre a microbiota intestinal (as bactérias boas que vivem no intestino) e o sistema imunológico. O uso de antibióticos, principalmente no primeiro ano de vida, a microbiota é modificada

e começa a ter um relacionamento não tão saudável, o que pode confundir o sistema imunológico.

– Ambientes excessivamente limpos: Desde os anos 70, foi constatado que crianças que vivem em cidades têm mais alergias do que aquelas que crescem em áreas rurais e possuem maior contato com terra e animais do campo.

O que fazer para preveni-las?

O foco desse artigo não é o tratamento das alergias pois ele acontece, geralmente, com a intervenção de mais de um especialista, de maneira multidisciplinar.

Mas se você vai ser mãe em breve, possui bebês ou crianças pequenas e predisposição a alergias, é importante usar algumas estratégias que podem diminuir o risco do desenvolvimento:

– Evitar o uso de antibióticos, principalmente, em idade precoce: Em crianças saudáveis, mais de 90% das infecções nos primeiros anos de vida não necessitam de antibióticos, mesmo na presença de febre. Converse com seu pediatra para descobrir se o uso do antibiótico é realmente necessário.

– Introdução precoce a alérgenos: Há muito tempo é recomendado que determinados alimentos sejam iniciados depois do primeiro ano de vida para reduzir o risco de alergias, porém as evidências atuais indicam que a introdução de alimentos como peixe, manteiga de amendoim e ovos, aos 6 meses de idade, pode impedir o desenvolvimento de alergias.

– Evite ambientes muito limpos (“quase estéreis”): Embora a lavagem das mãos seja importante para evitar doenças, o contato com animais de estimação e o chão pode ser benéfico para a proteção contra alergias em crianças saudáveis.

– Micronutrientes: Certos nutrientes têm efeitos positivos na redução do risco de desenvolvimento de alergias e redução dos sintomas associados. O zinco, a vitamina D, os carotenoides e, principalmente, os ácidos graxos essenciais ômega-3 (DHA e EPA) demonstraram efeitos benéficos em diversos estudos. A escolha de alimentos naturalmente ricos, fortificados ou a suplementação com esses nutrientes pode diminuir o risco do desenvolvimento de alergias.

Você tem mais dúvidas sobre alergias?

Referências

American Academy of Allergy Asthma & Immunology. Allergy Statistics. Avaible in https://www.aaaai.org/about-aaaai/newsroom/allergy-statistics

Chan, E.S., et al., Early introduction of foods to prevent food allergy. Allergy Asthma Clin Immunol, 2018. 14(Suppl 2): p. 57.

Ferrante, G. and S. La Grutta, The Burden of Pediatric Asthma. Front Pediatr, 2018. 6: p. 186.

Hill, D.A. and J.M. Spergel, The atopic march: Critical evidence and clinical relevance. Ann Allergy Asthma Immunol, 2018. 120(2): p. 131-137.

Stiemsma, L.T., et al., The hygiene hypothesis: current perspectives and future therapies. Immunotargets Ther, 2015. 4: p. 143-57.