ANEMIA E VITAMINA B12: QUAL A RELAÇÃO?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

As vitaminas do complexo B são um grupo de substâncias de natureza química diferente entre si, porém, que compartilham características em comum: são todas hidrossolúveis, ou seja, são solúveis em água e, por isso, seu consumo diário é necessári, já que não há estoque em nosso organismo e, o que consumimos em excesso, é eliminado através da transpiração ou urina. Isso significa que essas vitaminas são essenciais na dieta. Outra característica que essas substâncias compartilham é relacionada ao metabolismo dos alimentos que consumimos, já que elas são importantes para a transformação dos nutrientes em energia.

São 8 vitaminas que compõe o conhecido complexo B. Cada uma delas possui particularidades e todas são importantes para o metabolismo, a nutrição e a qualidade da dieta. A vitamina B12, chamada de cianocobalamina, merece atenção, pois é encontrada apenas em alimentos de origem animal, como a carne vermelha. Essa vitamina não está presente em vegetais de folhas verdes, frutas ou oleaginosas como o restante das vitaminas que compõe o complexo B.

Por isso, aqueles que não comem carnes vermelhas ou são  vegetarianos e veganos ou ainda, quem pretende adotar esses tipos de dieta, podem apresentar deficiência dessa vitamina, devido ao seu caráter hidrossolúvel, já mencionado anteriormente, que torna o consumo necessário todos os dias nas quantidades adequadas.

A deficiência dessa vitamina é muito comum entre crianças e jovens que possuem uma dieta de baixa qualidade por diversos fatores. Essa deficiência está associada a um tipo de anemia muito particular: a anemia megaloblástica, que assim como os demais tipos, está relacionada com a formação dos glóbulos vermelhos, com os componentes sanguíneos que absorvem e transportam o oxigênio e sua produção na medula óssea. Quando falta vitamina B12 no organismo, os glóbulos vermelhos produzidos tendemenormes aumentarem de tamanho, o que torna o transporte de oxigênio ineficiente por essas células. Essa condição é a que recebe o nome de anemia megaloblástica.

Em crianças, a anemia megaloblástica crônica, ou seja, que dura um longo período, é bastante arriscada pois a oxigenação inadequada das terminações musculares e nervosas e a falta de energia nesses tecidos, têm impactos importantes no desenvolvimento físico e na capacidade de crescimento corporal. Essa desnutrição específica, interfere também no desenvolvimento cognitivo, atenção, memória, concentração e outras habilidades que afetam o desempenho escolar em crianças entre seis e doze anos.

Crianças e adolescentes tendem a ser muito seletivos na alimentação e, muitas vezes, não comem alimentos de origem animal devido a dificuldade na mastigação, por tendências nutricionais ou por seguirem dietas da moda. É comum a presença de alguns níveis de anemia megaloblástica nessas crianças, mesmo que estejam com peso e altura adequados, assim como o percentil de crescimento e não apresentem sintomas ou queixas.

Portanto, observe os sintomas de seus filhos como, por exemplo, cansaço, cor da pele (palidez), desejo de brincar, capacidade de concentração, interesse em aprender coisas novas e mobilidade. Assim, através da observação e da identificação de sintomas é possível verificar carências nutricionais, especialmente quando as mesmas estão na fase marginal. E, nesse caso, verificar se a dieta da criança é completa e equilibrada e incluir em cada uma das três principais refeições do dia, alimentos de origem animal. Se, por algum motivo, seu filho não comer esse tipo de alimento, opte por suplementos de vitaminas do complexo B, especialmente a vitamina B12. Também utilize alimentos fortificados como um complemento da dieta.

Por se tratar de uma vitamina hidrossolúvel, que não se acumula no organismo, não existe risco de consumir em excesso. Observe a qualidade da dieta, ou seja, variada, completa e equilibrada, escolha sempre alimentos ricos em nutrientes para evitar o comprometimento no desenvolvimento nessa fase tão crítica.

Referencias:

Aslinia, F, Mazza JJ, Yale SH. Megaloblastic anemia and other causes of macrocytosis. Clin Med Res. 2006;4:236-241.

De Paz R, Hernandez-Navarro F. Management, prevention and control of megaloblastic anemia, secondary to folic acid deficiency. Nutr Hosp. 2006;113-119.

Ward PC. Modern approaches to the investigation of vitamin B12 deficiency. Clin Lab Med. 2002;22:435-45.

The World Health Report 2002 — Reducing Risks, Promoting Healthy Life. World Health Organization.

The Global Prevalence of Anemia in 2011. World Health Organization. Dietary Supplement Fact Sheet; National Institutes of Health