A importância da vitamina A para a saúde

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A vitamina A é um nutriente essencial, com múltiplos benefícios para a saúde e fundamental em todas as fases da vida, especialmente na infância, pois, atua no crescimento, sistema imune, saúde da pele e, principalmente, na saúde da visão.

Com tantas funções importantes, a deficiência de vitamina A em crianças de até 5 anos de idade é considerada um problema de saúde pública em muitos países da América Latina. Mais de 140 milhões de crianças em todo o mundo correm um risco maior de sofrer de surdez, cegueira e até mesmo morte caso medidas urgentes não sejam tomadas para fornecer suplementos de vitamina A, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Considerando o Caribe e a América do Sul, estima-se que 11% das crianças não atingem os níveis de ingestão recomendados de vitamina A.

Mas quais as consequências da deficiência de vitamina A?

A deficiência de vitamina A é a principal causa de cegueira evitável em crianças, mas a carência também pode levar a frequentes infecções e a um quadro de anemia.

Isso porque, a vitamina A atua no metabolismo do ferro, auxiliando na mobilização e na utilização desse mineral na formação de células vermelhas do sangue. Ou seja, quando há deficiência da vitamina A, o ferro diminui a capacidade de ligação com essas células, consequentemente, a utilização do ferro é prejudicada, podendo ocasionar o quadro de anemia ferropriva. Nesse caso, a suplementação apenas de ferro pode não ser suficiente para a melhora efetiva da doença, sendo necessário também, a correção da deficiência de vitamina A.

E como evitar a deficiência de vitamina A?

Nosso corpo não é capaz de produzir vitamina A. Portanto, esse nutriente é obtido exclusivamente pela dieta e por isso é considerado essencial. A vitamina A está presente em alimentos de origem animal, como a gema de ovo, fígado, leite integral e derivados e nos alimentos fortificados com essa vitamina. Nos alimentos de origem vegetal, principalmente nos alimentos de cor alaranjada, como a cenoura e a abóbora, encontra-se um nutriente chamado betacaroteno, capaz de ser convertido em vitamina A pelo organismo.

O consumo desses alimentos fontes é essencial para manter os níveis saudáveis de vitamina A, se por acaso e principalmente as crianças, excluem da dieta os alimentos alaranjados, a suplementação deve ser considerada, assim como a escolha dos alimentos fortificados. Essa medida é essencial para evitar a deficiência.

Mas claro, lembre-se sempre de oferecer à sua família uma alimentação variada, equilibrada e colorida. Por aqui já demos várias dicas para ajudar você e seu filho a ter uma alimentação cada vez mais saudável! Procure também um auxílio profissional para garantir a nutrição ideal.

Referências  

Brasil. Ministério da Saúde. Deficiência de vitamina A. Publicado em 30 de junho de 2015. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/1937-deficiencia-de-vitamina-a>. Acesso em 31 de janeiro de 2020.

BRITO T. B.B., OLIVEIRA T. A., MEDINA T. S., NASCIMENTO F. R., NASCIMENTO T. P., FERREIRA M. S. L. Acessibilidade, biodisponibilidade e consumo de alimentos fontes de carotenoides e vitamina A em crianças de até 5 anos. SEMEAR 1(1), pag 01-13, 2019.

CORDEIRO, S. A., et al. Deficiência de vitamina A (DVA). International Journal of Nutrology. 11(01), 324-327, 2018.

EDEM, D.O.  Vitamin A: A Review. Asian Journal of Clinical Nutrition, 1: 65-82, 2009.

GALICIA L, GRAJEDA R, LÓPEZ DE ROMAÑA D. Nutrition situation in Latin America and the Caribbean: current scenario, past trends, and data gaps. Rev Panam Salud Publica. 40(2):104–13, 2016.

LIMA, D. B.; DAMIANI, L. P.; FUJIMORI, E. Deficiência de vitamina a em crianças brasileiras e variáveis associadas.  Rev. paul. pediatr, v. 36, n. 2, p. 176-185, 2018.

SAUNDERS, C., et al. A investigação da cegueira noturna no grupo materno-infantil: uma revisão histórica. Rev. Nutr., Campinas, 20(1):95-105, jan./fev., 2007.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Deficiência de vitamina A. Departamento Científico de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, 2007.