Consequências da anemia não tratada na primeira infância

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em um artigo anterior, expliquei a importância do ferro e o bom funcionamento dos glóbulos vermelhos, para que o oxigênio atinja todas as células do corpo. Agora você precisa saber o que acontece com a anemia por deficiência de ferro em crianças e quais suas consequências.

Antes de fazer isso, você deve saber que a anemia por deficiência de ferro geralmente é a manifestação de uma ingestão inadequada de ferro por um tempo relativamente longo. O corpo tem alguns locais onde pode acumular esse elemento, principalmente no fígado e medula óssea. Essas reservas podem ser medidas com exames de sangue, como ferritina e transferrina, moléculas diretamente relacionadas à quantidade de ferro disponível. Isso significa que, se a ingestão dietética de ferro diminuir, as reservas serão gradualmente consumidas e, se esgotadas, a anemia por deficiência de ferro se tornará evidente.

Durante os primeiros 6 meses de vida, a principal fonte de ferro é o leite materno, que contém relativamente pouco ferro, mas contém fatores que facilitam a absorção. As fórmulas infantis contêm fatores menos efetivos que o leite materno, mas isso é compensado pela fortificação de ferro. A anemia por deficiência de ferro é mais frequente entre 6 meses e dois anos de idade, apenas no período em que eles fazem a transição da amamentação para a alimentação complementar e são integrados à dieta da família. O problema é que muitas crianças se tornam hiperseletivas (comedores exigentes) e podem não consumir alimentos suficientes que contenham ferro, como carne, frango, peixe, nozes ou feijões. Felizmente, existem cada vez mais produtos projetados pra esta idade que contêm ferro, como fórmulas para bebês, mingau, entre outros.

Crianças com menos de dois anos de idade, nas quais esses problemas são mais comuns, geralmente não apresentam sintomas ou não sabem como comunica-los. Foi descrito que eles podem se tornar irritáveis, ter fraqueza e desinteresse em brincar ou morar com outras crianças, mas não são dados específicos, pois muitas crianças podem apresentar esse comportamento por vários motivos. Mesmo com anemia leve, as crianças têm um período mais curto de concentração na escola e, quando realizam atividades regulares, seu estado de alerta pode diminuir e a capacidade de aprender fica limitada.

Ocasionalmente, essas crianças podem manifestar pica. Isso é definido como a ingestão de substâncias não nutritivas, como terra, gesso das paredes ou giz. Algumas crianças fazem isso ocasionalmente como parte de sua curiosidade, mas se esse comportamento é repetitivo e dura mais de duas vezes, pode ser necessário considerar a possibilidade de deficiência de ferro.

Em muitas populações ao redor do mundo, especialmente aquelas afetadas pela pobreza ou em situações adversas, as crianças são suscetíveis à deficiência de ferro e anemia. Portanto, diferentes estudos foram realizados para descobrir quais consequências isso poderia ter a longo prazo. O baixo desempenho em testes padronizados de inteligência e cognição foi encontrado em crianças com anemia moderada a grave, mas geralmente está associado a fadiga, falta de interesse e outros sintomas, portanto, não é fácil concluir se o mau desempenho cognitivo é devido a alterações propriamente cerebrais ou pela fadiga, mas definitivamente tem um papel importante no desempenho ruim.

Até uma certa idade, esses dados são revertidos ao administrar ferro a crianças, mas ainda é procurado entender se os efeitos no mau desempenho são reversíveis ou tem consequências a longo prazo. Estudos em que o ferro e o ômega-3 foram administrados em crianças com deficiência de ambos durante um ano melhoraram o desempenho escolar.

É importante ter em mente que o peso não é necessariamente um bom indicador do estado nutricional, pode haver crianças com peso adequado e até com excesso de peso e ainda serem deficientes em ferro e outros micronutrientes. Foi observado que em crianças com sobrepeso ou obesidade desde idades precoces, a deficiência de ferro pode ser frequente.

Como é diagnosticada a anemia? É necessário coletar amostras de sangue para medir o número de glóbulos vermelhos, determinar o conteúdo de hemoglobina, entre outros dados. Como mencionei antes, você pode medir algumas substâncias que funcionam como um deposito de ferro. No entanto, outras deficiências podem ser mais difíceis de medir diretamente, portanto, pode ser necessário que um nutricionista ou médico avalie a qualidade da dieta para qualquer deficiência.

Se tem dúvidas sobre esse tema, te convidamos a deixar seus comentários.

Referencias [1-4]

  1. Rote, N.S. and K.L. McCance, Alterations in Erythrocyte Function, in Pathophysiology, The Biologic Basis for Disease in Adults and Children, S.E. Huether and K.L. McCance, Editors. 2014, Mosby.
  2. Lozoff, B., et al., Long-lasting neural and behavioral effects of iron deficiency in infancy. Nutr Rev, 2006. 64(5 Pt 2): p. S34-43; discussion S72-91.
  3. Sorensen, L.B., et al., Diet-induced changes in iron and n-3 fatty acid status and associations with cognitive performance in 8-11-year-old Danish children: secondary analyses of the Optimal Well-Being, Development and Health for Danish Children through a Healthy New Nordic Diet School Meal Study. Br J Nutr, 2015. 114(10): p. 1623-37.
  4. Sypes, E.E., et al., Higher Body Mass Index Is Associated with Iron Deficiency in Children 1 to 3 Years of Age. J Pediatr, 2019. 207: p. 198-204 e1.