Imunidade das crianças: como o ômega 3 pode ajudar a fortalecê-la

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Enquanto pais, queremos sempre que nossos filhos sejam saudáveis e não fiquem doentes, não é mesmo?! Por isso, nos preocupamos tanto em oferecer ótimas condições para que eles estejam protegidos do máximo de doenças possível.

Sem sombra de dúvida, a alimentação deve ser sempre uma prioridade quando falamos em manter um sistema imunológico capaz de defender nossos pequenos contra vírus e bactérias. E isso vale desde desde a vida intrauterina, você sabia? Isso porque o sistema imunológico inicia seu processo de desenvolvimento assim que o bebê é concebido e só vai estar 100% desenvolvido nos primeiros anos de vida da criança.

E esse sistema é extremamente complexo! Como primeiro mecanismo de defesa do organismo, temos a barreira física da pele e das mucosas. Temos também a imunidade inata, ou seja, aquela que atua gerando um processo inflamatório (que é uma resposta a uma agressão ao organismo).  E ainda possuímos a resposta imune adaptativa, que é decorrente da formação de memória em relação aos invasores que o organismo já entrou em contato.

Como era de se esperar, para que tudo isso funcione, e as células sejam constantemente fortalecidas, a nutrição correta tem um papel vital! E um dos nutrientes chave da chamada de imunonutrição é o ômega 3.

Pertencente à classe dos lipídeos essenciais, ele tem sido associado à redução de inflamações, resfriados e condições autoimunes, além de ter ação benéfica em proteger crianças contra alergias, inclusive na primeira infância.

De fato, estudos na área de pediatria já têm mostrado que bebês que são alimentados com fórmulas suplementadas com ômega 3, mais especificamente com DHA (ácido  docosahexaenoico), possuem células do sistema imunológicos semelhantes aos de bebês que são alimentados com leite materno!

Dessa forma, alimentos fontes de ômega 3 (como peixes de água fria, sementes e óleos vegetais) ou fortificados com o nutriente devem ser introduzidos na dieta dos pequenos desde cedo. Converse com o seu nutricionista ou pediatra!

 

Referências bibliográficas:

GONZÁLEZ, F. E.; BÁEZ, R. V. IN TIME: IMPORTÂNCIA DOS ÔMEGA 3 NA NUTRIÇÃO INFANTIL. Rev. paul. pediatr. vol.35 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2017.

BARRETO, B. A. P.; MOURA, C. A. F. Imunidade. In: PIMENTEL, C. V. DE M. B.; ELIAS, M. F.; PHILIPPI, S. T. Alimentos funcionais e compostos bioativos.1ª. ed. Barueri (SP): Manole, 2019.

LIMA PERINI, J. A. de. Et al.  Ácidos graxos poli-insaturados n-3 e n-6: metabolismo em mamíferos e resposta imune. Rev. Nutr., Campinas, 23(6):1075-1086, nov./dez., 2010.

MARTIN, C. A.  Ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 e ômega-6: importância e ocorrência em alimentos. Rev. Nutr., Campinas, 19(6):761-770, nov./dez., 2006.