O famoso ômega 3: qual sua função e onde encontrá-lo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A alimentação dos nossos filhos é sempre uma de nossas primeiras preocupações – com toda razão! Se antes acreditava-se que para a criança ser saudável, precisaria comer muito, hoje as famílias têm muito mais consciência e conhecimento de que o foco deve ser em fornecer exatamente o necessário para o desenvolvimento dos pequenos.

E entre os nutrientes chave para promover esse crescimento saudável estão os lipídios! Também conhecidos como gorduras, eles são a principal forma de armazenamento de energia no nosso corpo e desempenham diferentes funções, como o transporte das vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) para auxiliar na formação de hormônios. Alguns outros também são  essenciais, como os ácido graxos ômega 3.

Pertencem à família do ômega 3, os seguintes ácidos graxos:

  • O EPA (ácido eicosapentaenoico), que atua inibindo processos inflamatórios, protegendo o organismo de efeitos relacionados à agregação plaquetária (prevenindo doenças cardiovasculares) e auxiliando na imunidade;
  • O DHA (ácido docosahexaenóico) que tem importante função no funcionamento e desenvolvimento da saúde dos olhos, com ação principalmente na retina e no cérebro;
  • O ALA (ácido alfa-linolênico), que auxilia na manutenção das funções cerebrais e na transmissão dos impulsos nervosos, favorecendo assim, condições para uma boa saúde mental. Pode ser transformado em pequena porcentagem em EPA e DHA.

O ômega-3 é considerado um ácido graxo essencial, ou seja, não é produzido pelo organismo e por isso, é indispensável em qualquer dieta, especialmente na das crianças.

Os ácidos eicosapentaenoico (EPA) e docosahexaenoico (DHA) estão presentes em alguns alimentos de origem animal, como os peixes gordurosos (salmão, atum, sardinha) e alguns tipos de algas. Já o ácido alfa-linolênico (ALA) está presente em alimentos de origem vegetal, como as sementes de linhaça e chia. Todos também podem ser encontrados em alimentos fortificados.

Ou seja, introduzir esse nutriente tão importante na alimentação do seu filho pode ser mais simples do que você pensa! Assim, a saúde dele agradece.

Referências bibliográficas:

 

MARTIN, C. A.; ALMEIDA, V. V. de.; RUIZ, M. R.; VISENTAINER, J. E. L.; MATSHUSHITA, M.; SOUZA, N. E. de.; VISENTAINER, J. V. Ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 e ômega-6: importância e ocorrência em alimentos. Rev. Nutr., Campinas, 19(6):761-770, nov./dez., 2006.

PESCADOR, R. Aspectos nutricionais dos lipídios no peixe: uma revisão de literatura. Universidade de Brasília. Curso de especialização em gastronomia e segurança alimentar, Brasília, 2006.

Kitzinger, L.; Simomura, V. L.; Pimentel, C. V. M. B. Omega-3 Consumption Assessment in Vegetarian Diets. Food Nutr J. 5: 218, 2020.

PERINI et al. Ácidos graxos poli-insaturados n-3 e n-6: metabolismo em mamíferos e resposta imune. Rev. Nutr. vol.23 no.6 Campinas Nov./Dec. 2010.